Para Leitores

[Resenha] A Casa Dourada – Salman Rushdie

Sinopse René é um jovem cineasta em busca do primeiro roteiro perfeito. Quando conhece a família Golden, uma rica e excêntrica família que se muda para o seu bairro, René encontra neles a inspiração perfeita para o seu enredo. Depois da morte de seus pais ele se muda para a mansão e passa a observar os eventos e tomar notas. O que era um exercício de análise aos poucos se torna um envolvimento maior do que ele imaginava. Resenha Rushdie deu a René o poder supremo da narração e este soube aproveitar bem suas possibilidades. Com uma narração que dá voz a todos os personagens, passeia por pontos de vista diversos e mistura tom literário com roteiro de cinema, a história vai sendo contada com uma lógica que nem sempre fica clara, mas, no todo, faz todo o sentido e cumpre seu papel de maneira inteligente. Nero Golden, o patriarca viúvo, saiu da Índia para os EUA em condições bastante suspeitas com seus três filhos adultos e peculiares: Apu, D e Petya. Em solo americano ele se envolve com Valisia, uma mulher sedutora que nunca escondeu suas reais intenções ao se relacionar com um homem de idade avançada, rico e solteiro. “O que é uma vida boa? Qual o seu oposto? São perguntas às quais dois homens nunca darão a mesma resposta”. René começa essa história em um núcleo familiar feliz e saudável. Um acidente de carro quebra a magia e o deixa órfão. Nero o conforta – com o seu jeitão não muito paterno – e o acolhe em sua casa, onde René encontra o ponto de observação perfeito para escrever o seu roteiro. Contudo, os planos fogem de controle tanto em tempo de execução (ele leva mais de dez anos para escrever e preparar o filme) como em proximidade dos seus objetos. De repente, René está próximo de todos os problemas dos filhos de Golden, começa a descobrir a verdade sobre a saída deles da Índia e não só testemunha como participa de eventos que vão mudar o rumo da família. Leia outras resenhas Ao redor desse eixo giram temas como política, arte, amor, vingança, identidade de gênero, autismo, fobias, inocência, perdão, segredos, cinema, e, de quebra, um grande esquema mafioso. “Mais uma lição a ser aprendida: nunca subestime seu próximo. O teto de um homem é o piso de outro”. Eu fiquei confusa com a narração no início, mas depois pensei “Uau, isso foi inteligente”. A demora na minha leitura (cerca de 4 meses) foi uma consequência da dificuldade em entender de primeira qual era a “pegada” do livro – e fez eu me sentir quase parte da família Golden de tanto tempo que passei em sua companhia. Gosto como René, enquanto narrador, dá espaço para os personagens serem eles mesmos e deixa por conta deles a narração de alguns episódios. Também é muito interessante como ele adianta eventos, supõe pensamentos e faz suas próprias conjecturas de tudo que acontece, às vezes acertando, às vezes errando. O livro é uma boa pedida para quem não tem medo de leituras fora do padrão narrativo, e, claro, adora referências cinematográficas. Sobre o autor Salman Rushdie nasceu em Bombaim, na Índia, em 1947, de onde saiu aos 13 anos para estudar na Inglaterra, país onde morou boa parte da sua vida. Teve uma breve carreira como ator e então passou a se dedicar à escrita, a partir de 1971. Venceu o Booker Prize em 1981, o Booker of Bookers em 1993 e o Best of The Booker em 2008. Seu livro Os Versos Satânicos (1988) foi acusado pelas lideranças extremistas islâmicas de ofende Maomé o Corão, acusação que rendeu a Rushdie uma sentença de morte. Sobre o livro Título: A Casa DouradaAutor: Salman RushdieEditora: Companhia das LetrasAno: 2018Páginas: 456Avalição: 4/5 Você pode encontrar esse livro clicando aqui (link afiliado, comprando através dele você ajuda o blog sem pagar nada a mais por isso). Gostou desse conteúdo? Faça parte da minha lista de e-mails e não perca nenhuma novidade indicates required Email Address * Que tipo de conteúdo mais interessa você? Para Leitores Para Escritores Ambos

Continue Reading