Para Escritores

Como avaliar as cenas do seu livro

Quando escrevemos o primeiro rascunho da nossa história tendemos a despejar todas as cenas que vêm à cabeça, correndo o risco de nem sempre julgar bem a utilidade dela para a narrativa como um todo. Essa correção geralmente acontece na etapa seguinte, a edição do livro. Mas como saber se uma cena deve ou não estar ali? Como avaliar? Fazendo essas três perguntas a seguir: 1) Esta cena ajuda a trama a evoluir? Ora, a função de cada cena é levar a história para frente, descrever uma ação executada por um personagem. Quando eu falo em ação não precisa, necessariamente, ser algo físico e específico, como narrar o personagem em tempo real falando ou caminhando, mas pode ser algo mais abstrato, como pensar ou lembrar de eventos passados. Observe esse trecho do livro Max Perkins – Um Editor de Gênios, que é uma biografia, mas serve para ilustrar. “Seis anos haviam se passado desde a publicação de O Grande Gatsby. Nos últimos dois, Fitzgerald quase não encostara o lápis no papel. Decerto o fator principal para essa falta de progresso durante esse período havia sido a doença da esposa”. (Max Perkins – Um Editor de Gênios, A. Scott Berg). Baixe gratuitamente o Guia Prático para Criação de Personagens Vejam como o autor resumiu seis anos em três frases e deu utilidade para a cena, neste caso informar o leitor que o escritor Fitzgerald tivera um hiato longo entre um dos seus livros mais famosos e o tempo atual da narrativa. Isso é o que cada cena do seu livro precisa fazer: levar a história adiante, no ritmo que você considerar mais adequado para a dinâmica da narrativa. Do contrário, ela só estará ocupando espaço no seu livro. 2) Esta cena cria um conflito? Esse tópico poderia estar contido no anterior, mas eu resolvi deixá-lo separado porque nem todas as suas cenas criarão um conflito propriamente dito, mas servirão para desenvolver um conflito anterior ou posterior, como se estivesse preparando o terreno para algo que ainda estar por vir. Neste caso, você precisará avaliar a utilidade específica da cena. Veja mais esse trecho da biografia de Perkins. “De repente, desencadeou-se o caos na vida de Wolfe. Scott Fitzgerald contara onde Tom estava a uma mulher em Paris, que telegrafou a novidade para Aline Bernstein nos Estados Unidos, que, por sua vez, começou a mandar para o escritor cartas e telegramas falando de morte e agonia e ameaçando embarcar para a Europa a fim de encontrá-lo”. (Max Perkins – Um Editor de Gênios, A. Scott Berg). Olhando assim parece um trecho avulso, mas o leitor do livro que chegou até aí sabe que Aline é uma ex-amante que vinha perseguindo Thomas Wolfe e implorando para que ele reatasse o caso amoroso. Ou seja, o leitor sabe que a moça sair dos EUA para a Europa não é um bom sinal. Valeu a pena o biográfo ter inserido a informação pois ela ajuda a entender o contexto da vida de Wolfe, um dos escritores que Perkins associou durante sua carreira. Leia também 7 papéis que seus personagens podem assumir na sua narrativa 3) Esta cena tem uma informação relevante? Suponhamos que você escreveu uma cena que não mexe muito na dinâmica da narrativa e nem cria, desenvolve ou prepara nenhum conflito, mas se salva por conter uma informação relevante. Deixe-a onde está. “Ele não tinha desejo algum de se apegar aos seus ‘restos fedorentos de peixe podre’ de um original, mas, escreveu a Perkins, se alguém quisesse saber quando teria um novo livro lançado, ele responderia sem se desculpar: ‘Quando eu terminar de escrevê-lo e descobrir alguém que queira publicá-lo’”. (Max Perkins – Um Editor de Gênios, A. Scott Berg). Conheça meus livros Nessa passagem há a transcrição de uma das cartas de Wolfe a seu editor, Max Perkins, e é uma fala que mostra a personalidade explosiva e até um pouco imatura do autor. Uma informação relevante pode ser exatamente isso, um trecho que contribua para a apresentação do personagem ou que dê o tom do contexto da narrativa naquele instante. Esses são alguns pontos de partida que você pode usar para avaliar as cenas do seu livro. Ademais, uma que nunca falha é imaginar a história sem ela. Se não causa nenhum prejuízo, é dispensável. Gostou desse conteúdo? Faça parte da minha lista de e-mails e não perca nenhuma novidade indicates required Email Address * Que tipo de conteúdo mais interessa você? Para Leitores Para Escritores Ambos

Continue Reading