Para Escritores

Como escolher o título perfeito para o seu livro

Títulos são importantes. Uma das partes mais importantes do seu livro. Sua história pode ser a melhor coisa escrita desde a invenção do alfabeto, mas se não tiver um bom título ela pode nunca ser atraente o bastante para ser lida. Mas o que é um bom título? Na minha opinião é aquele que não engana o seu leitor, mas que também não entrega o jogo. É aquele que dá o tom do livro, que chama o leitor para sentar e ter uma conversa sem hora para chegar ao fim. Nesse artigo eu abordo os tipos mais comuns de títulos e como você pode escolher o seu a partir de um deles. Títulos sobre lugares No livro O Segredo do Best-Seller, os autores Jodie Archer e Matthew L. Jockers mapearam as características dos livros campeões de vendas nos últimos trinta anos e uma das características estudadas foi o título. Segundo o estudo, títulos referentes a lugares costumam funcionar, como por exemplo em O Morro dos Ventos Uivantes e Howards End. Usar o lugar onde a sua história se passa é uma aposta quase impossível de dar errado, mas, veja bem, esse lugar precisa ser o lugar. Ele precisa ser importante. Algo deve acontecer ali que seria diferente se ocorresse em outro lugar. Não é simplesmente um local qualquer. Tanto O Morro dos Ventos Uivantes quanto Howards Ends são propriedades na Inglaterra onde os conflitos se desenvolvem em torno delas ou por causa delas. Há histórias onde os locais são relevantes, mas não cruciais. Qualquer fã de Crepúsculo que se preze sabe que a história de Bella e Edward começa depois que ela se muda para Forks, a cidadezinha onde seu pai é xerife. Mas o ponto chave do livro é um vampiro se apaixonar por humana e não o fato da cidade chover o ano todo. Usar esse recurso cria conexão do leitor com o lugar. Ao fim da leitura ele se sente íntimo, próximo, como se conhecesse o local como sua casa. Títulos sobre eventos O Último Caso da Colecionadora de Livros e A Lua de Mel falam sobre eventos que aconteceram e depois disso o conflito foi criado. No primeiro exemplo, livros raros são roubados, esses livros pertenciam a uma mulher morta misteriosamente e essa mulher teve alguns amantes durante sua vida. Seu último caso culminou na sua morte. Em A Lua de Mel a protagonista reencontra um ex-namorado das antigas e eles decidem se casar alguns dias depois e passar a lua-de-mel na Grécia, onde se conheceram. O desafio da irmã da noiva é evitar que esse episódio repentino aconteça. Percebam que o evento foi o estopim para o desenvolvimento do livro, por isso ele merece destaque e funciona como um título que antecipa, sem dar spoiler, o assunto da narrativa. Títulos sobre personagens Sabe quando o protagonista não só é o principal agente da história como também carrega o livro nas costas? Nestes casos nada mais justo do que tomar seu nome emprestado para o título. Isso acontece em Inocência e e G., onde a narrativa é construída em torno deles e através deles. Geralmente são personagens que o leitor acompanha uma trajetória, uma mudança de vida, de comportamento, ou suas nuances psicológicas são bastante exploradas. Porém, mais comum do que livros serem publicados exclusivamente com o nome do personagem é virem com um complemento, como A Ilha do Dr. Moreau e Os Sofrimentos do Jovem Werther. Se a sua história tem um personagem impactante considere usá-lo para nomear o seu livro. Leia também 3 dicas para escrever bons personagens YA Títulos sobre papéis Na mesma linha do item anterior, títulos que evidenciam papéis, funções, ou profissões dos personagens criam uma expectativa imediata no leitor. Em O Segundo Caçador não há o nome do personagem, mas o que ele faz dentro da trama: ele caça alguém ou alguma coisa. E logo você se pergunta “O que ele caça?”, ou então “Quem é o primeiro caçador?”. No livro infanto-juvenil O Incrível Livro de Hipnotismo de Molly Moon você já supõe que Molly se interessa por hipnose e esse não é qualquer livro, é o incrível livro, então ele tem algo realmente de especial. O seu personagem tem algo que o qualifica como único? Ele tem uma profissão peculiar, um objeto, uma varinha, um cordão, um baú, um chápeu mágico? Ele vive uma condição ou está inserido em um contexto conflituoso como A Escrava Isaura? Observe se não é possível obter um ótimo título daí. Títulos sobre detalhes Meu primeiro livro, Cafés Amargos, se encaixa nesse tipo de título. Tomás é um escritor em bloqueio criativo e quando sua vida está em decadência seus cafés ficam ruins. O café é o termômetro da narrativa. Em Ouro, as ciclistas olímpicas Kate e Zoe estão sempre em busca do lugar mais alto do pódio, mas será que a medalha é realmente o mais importante? No fim da leitura você descobre que não. Os detalhes aqui são detalhes, mas não irrelevantes. Eles podem fazer parte da cena principal do livro, ou podem ser uma característica do protagonista ou de um personagem que mudou o rumo da história, ou pode ser ainda uma metáfora para o conflito. As possibilidades são muitas. Outra dica é dar prioridades para títulos com artigos definidos, como A Garota das Laranjas ou O Tempo Entre Costuras, porque de imediato confere especialidade ao substantivo que vem em seguida porque concentra o evento em torno de algo individual. Segundo O Segredo do Best-Seller, o artigo indefinido é interessante “quando o substantivo é tão incomum e específico que a generalidade do artigo indefinido empresta um sentido maior, mais universal ou metafórico. O uso do artigo indefinido amplia o potencial” (p. 176). Exemplos: Um Pouco Acima do Chão e Um Amor de Cinema. Você pode criar o seu título a partir de inúmeros aspectos, o objetivo desse artigo é apenas orientar você a considerar várias possibilidades dentro seu texto. Lembrando sempre que a função do título além de informar sobre …

Continue Reading