Para Leitores

[Resenha] A Ilha do Tesouro – Robert Louis Stevenson

Sinopse Jim Hawkins é apenas um garoto que ajuda os pais na hospedaria da família. Um dia, um pirata mal-encarado aparece para se hospedar e carrega consigo um baú que logo desperta o interesse dos seus perseguidores. Quando o pirata morre, Jim é quem abre o baú e descobre um mapa para uma ilha onde está enterrado um grande tesouro. Ao lado do conde e do médico da cidade ele começa uma expedição para encontrar A Ilha do Tesouro. Resenha Stevenson não inventou os piratas, mas foi a partir desse clássico que os mapas com um x, os tesouros enterrados, manchas negras, homens bebedores de rum e de uma perna só passaram a fazer parte da cultura piratanesca, vamos dizer assim. Influenciando, inclusive, filmes como Os Piratas do Caribe. Originalmente, essa história foi escrita para o público infanto-juvenil, mas acabou conquistando leitores de todas as idades. Jim é um garoto corajoso, esperto e muito leal aos seus amigos. Ele não deixa de ter medo dos perigos, mas também não desiste de uma briga antes de encará-la e tentar vencê-la. “Dizem que a covardia é contagiosa; entretanto, por outro lado, o debate é um grande estimulante”. O conde e o médico, ao saberem do tesouro, arranjam um navio e uma tripulação para acompanhá-los. No meio da viagem, a maior parte dos marinheiros organiza um motim, liderado pelo cozinheiro Silver, e aí que o bicho começa a pegar. Os honestos estão em menor número e precisam ser inteligentes para não só encontrarem a ilha como ficarem vivos nela. Os piratas revoltosos são valentes, mas também bastante atrapalhados, o que gera um núcleo cômico no livro. Na ilha, começa a corrida para quem acha o tesouro primeiro e consegue voltar com o navio sem ser arrebatado pelo grupo adversário. A ação, os desafios e a expectativa de encontrar a fortuna mantêm a aventura lá em cima o tempo todo. Essa é uma edição ilustrada – eu adoro as figuras! – e isso acrescenta e muito na minha experiência como leitora. Digo, é bom imaginar, mas ser acompanhada por um desenho que consegue traduzir as expressões, as vestimentas e o cenário, é interessante à beça. Leia outras resenhas É fácil entender porque A Ilha do Tesouro serviu de fórmula para boa parte das histórias de piratas que vieram depois. A trilha orientada por um mapa, o papagaio no ombro, os navios antigos e maltratados, tudo isso já está incorporado nesse tipo de narrativa e o melhor: funciona. Ainda que os elementos sejam sempre os mesmos, a gente quer saber como acontece, qual vai ser o final, o destino dos bandidos e mocinhos. Minhas referências são poucas, mas a partir de agora adiciono o nome de mais um herói. Além, claro, de ter riscado mais um clássico da minha lista. A obra de Stevenson tem diversas adaptações para o cinema e televisão – algumas com o título original, outras não – e a última é de 2012. Sobre o autor Nascido em Edimburgo em 1850, Robert Louis (originalmente, Lewis) Balfour Stevenson era filho de um próspero engenheiro civil. Seu pai desejava que ele seguisse sua profissão, porém a má saúde e a fraca disposição de seu filho significavam que teriam de decidir-se por uma carreira alternativa. Escolhendo o curso de Direito como um compromisso, Stevenson matriculou-se na Universidade de Edimburgo, porém sua crescente desilusão com a respeitabilidade presbiteriana da classe de seus pais conduziu a freqüentes discussões e ele distanciou-se da família, preferindo em vez disso levar uma vida boêmia. Sua fascinação pela vida do baixo mundo da cidade e pelos caracteres bizarros que nela encontrava forneceu um rico material para suas histórias posteriores. Em 1875, quando Stevenson completou seus estudos de Direito, já estava determinado a tornar-se um escritor profissional. (Fonte: Site L&PM) Sobre o livro Título: A Ilha do TesouroAutor: Robert Louis StevensonAno: 2018Editora: AutênticaPáginas: 280Avaliação: 3/5 Você pode encontrar esse livro clicando aqui (esse link leva à loja da Amazon e comprando através dele eu ganho uma pequena comissão sem custo adicional para você)

Continue Reading