Para Leitores

Há sempre um bilhete para este trem

Uma frase de Sully Prudhomme diz assim: “Talvez não temamos a morte porque o tempo se compõe de uma série de instantes infinitamente curtos durante os quais estamos certos de viver”.

Esses dias, a morte passeou entre pessoas conhecidas e foi como aquele aviso de cobrança que chega embaixo da sua porta depois de você muito ignorar as dívidas não pagas. Um lembrete: “não é porque você finge que eu não existo, que eu não estou aqui”.

De todas os fatos certeiros da vida, a morte é o mais confirmado, e, curiosamente, o mais ignorado e o mais temido. Ao mesmo tempo em que se morre de medo de morrer, se vive como se não fosse morrer nunca.

Leia também Uma Beleza Calculada

Todo medo de morrer esconde uma culpa e uma covardia. “Muitos foram os meus erros”, e nenhuma pretensão de se arrepender. “Não posso morrer agora porque ainda há muito o que fazer”, e quando o sol se põe nada foi feito. Raramente se diz: “Tudo bem, eu estou pronto”.

Do outro lado, o peito para encarar a morte costuma esconder um egoísmo ou um desleixo. “Tanto faz, eu fiz tudo que queria”, o pior jeito de viver. “Será até melhor, que aconteça logo”, e não há nenhum cuidado consigo mesmo e nem com os próximos.

A morte é sempre um trem que pegando adiantado ou chegado atrasado, passando por uma vista bonita ou só atravessando tunéis escuros, você entra e vai até o final. Resta saber com que tipo de bagagem você irá embarcar.

Gostou desse conteúdo? Faça parte da minha lista de e-mails e não perca nenhuma novidade

indicates required
Que tipo de conteúdo mais interessa você?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.