Para Escritores

5 motivos para você usar o Medium

Eu sou fã de carteirinha do Medium pela sua praticidade e facilidade em criar conteúdo. Embora eu acredite que ter uma página com domínio próprio contribua para sua autoridade na internet, esse não é o caminho mais urgente para se tomar no início de uma identidade virtual. Há inúmeras opções gratuitas e hoje eu vou trago 5 motivos para você usar o Medium como plataforma pessoal. 1. É um recurso gratuito Como praticamente tudo na internet, o Medium possui sua versão paga e a gratuita. O que muda? Na versão paga você lê conteúdos Premium e na gratuita você tem acesso limitado a eles. Na sua produção de conteúdo não muda substancialmente nada. Você pode se cadastrar hoje mesmo e começar a postar seus textos de maneira cem por cento liberada. 2. A distribuição de conteúdo é ótima O Medium é uma espécie de rede social de blogs. As postagens circulam dentro da plataforma e rankeiam muito bem fora dela, como no Google. Claro que usar as estratégias de SEO e fazer sua própria divulgação fora do Medium ajuda muito, mas, no geral, eu acho que o conteúdo circula muito melhor por lá do que no WordPress, por exemplo. Participe do canal do Telegram Escritores do Presente e receba conteúdos exclusivos Eu recebo centenas de acesso todos os dias, de artigos publicados há mais de dois anos, inclusive, sem fazer absolutamente nada para isso. 3. Layout padronizado Uma das coisas mais fantásticas no Medium é não precisar investir muito tempo no design, pois ele é, em regra, padronizado. Há alguns meses uma atualização no sistema deu aos usuários a possibilidade de mudar alguns elementos, como fontes, cores, posição das fotos, etc. Mas se isso não faz diferença para você basta usar o layout padrão que por si só ele já é bem limpo e bonito. 4. Interação com os usuários Funcionando como rede social, dentro do Medium é possível seguir e ser seguido por outros usuários. Na sua tela inicial aparecem artigos das pessoas que você segue e de assuntos do seu interesse (você seleciona isso ao se cadastrar e pode editar sempre que quiser nas Configurações). Você pode comentar, aplaudir (curtir) publicações e responder comentários feitos nos seus artigos. Baixe gratuitamente o Guia Prático para Criação de Personagens E o mais legal é que esse sistema não impede que leitores de fora do Medium acessem as suas postagens, ou seja, você pode divulgar onde quiser e todo mundo pode ler, mesmo não sendo usuário da plataforma. 5. Conteúdo de qualidade disponível O Medium é, em essência, uma plataforma feita por escritores para escritores. Por isso o conteúdo publicado lá costuma ser de muita qualidade. São artigos sobre os mais variados temas, assuntos e editorias. É certo que a maior parte deles está privado para membros, ou em inglês, mas nada que um tradutor online não dê uma mãozinha. Além de ter bastante conteúdo nacional incrível também. Por isso capriche nas suas publicações, use os recursos de imagem, links, vídeos, e ofereça ao seu público um conteúdo de qualidade à altura. O que postar no meu perfil do Medium? Todo tipo de conteúdo que você considerar mais extenso ou aprofundado para postar em plataforma como Instagram por exemplo. Leia também 7 dicas de marketing para escritores Você pode publicar contos, crônicas ou até mesmo poemas. Pode fazer um texto mais pessoal contando alguma experiência, dando alguma opinião ou comentando um fato público. Pessoalmente, eu gosto muito de publicar resenhas, dicas de escrita e textos mais íntimos ou “poéticos”. Acho que casa bem com a vibe do Medium. Medium ou Site Pessoal? Como eu disse, ter um site ou blog com domínio próprio dá a você uma “propriedade online”, um lugar para funcionar como um cartão de visitas e deixar registrado informações importantes sobre você e seus livros. Se você pode investir em um site próprio, faça, mas se não pode ou quer começar conhecendo o terreno online, crie uma conta no Medium e comece por lá. Nada impede que você tenha ambos, o que é meu caso, e trace uma estratégia de distribuição de conteúdo nas duas plataformas. É verdade que o Medium paga para produzir conteúdo? Sim, é, mas esse sistema ainda não funciona no Brasil (inclusive já passou da hora hein). Cada vez que você se deparar com uma estrelinha ao lado do título de um artigo significa que aquele é um conteúdo Premium. Cada usuário tem acesso a três leituras Premium por mês sem custos, acima disso apenas fazendo a assinatura (em dólares). Conheça meus livros Quando um autor publica seu conteúdo ele pode marcar a opção de incluí-lo entre as publicações exclusivas para membros e a cada leitura ele ganha um percentual em dinheiro (o dinheiro das assinaturas). Ou seja, como leitor você paga para ler, se desejar, e como escritor você recebe por ser lido. Mas a segunda parte desse sistema só está disponível para alguns países. O que você acha do Medium como plataforma pessoal de publicação? Que tal experimentar? Gostou desse conteúdo? Faça parte da minha lista de e-mails e não perca nenhuma novidade indicates required Email Address * Que tipo de conteúdo mais interessa você? Para Leitores Para Escritores Ambos

Continue Reading
Bastidores

Ideias para livros: onde eu encontro as minhas histórias

Desde criança eu fui alguém que gostava de inventar. Para mim era natural imaginar cenas com famílias, amigos, pessoas na rua ou eu mesma em situações diversas. As imaginações simplesmente vinham na minha cabeça – ainda vêm – e eu me perdia nelas. Basta uma música empolgante, um contexto curioso, um diálogo engraçado, e lá estou eu criando uma cena complementar que só acontece na minha cabeça. E é desse turbilhão de pensamentos que vem muitas ideias incríveis. É de uma barbeiragem no trânsito que eu penso em criar uma distopia sobre metrópoles, é de um gatinho esperto na rua que eu imagino um grupo de felinos organizados para dominar o mundo, ou é de um sorriso de um bebê que eu imagino como seria se uma mãe descobrisse que o seu filho só existe em uma realidade paralela. São conflitos que poderiam ser desenvolvidos, não concordam? O modo que eu encontrei de não perder essas ideias, já que elas aparecem sem avisar, foi anotá-las imediatamente. Em qualquer lugar, de qualquer jeito, um rascunho malfeito que seja, mas eu sempre escrevo a ideia central e deixo lá guardadinha para um momento oportuno. O resultado é uma lista imensa de possíveis enredos que podem ou não serem aproveitados daqui para frente. Alguns, passado a explosão do momento, se transformaram em ideias ruins, enquanto outros têm muito potencial. Eles fazem parte do meu compartimento criativo, um lugar especial onde eu sempre passeio para me lembrar de que ainda tenho muita história para contar nessa vida. Mas como criar a sua própria caixinha de ideias? Aquele lugar mágico onde você irá meter a mão, dar uma sacudida e tirar sua próxima grande história? Meu conselho é: alimente-se de inspiração e pratique sua criatividade. Sobre a inspiração, não necessariamente dependa dela para escrever, como eu falo aqui nesse artigo, mas incorpore no seu cotidiano tudo aquilo que pode ajudá-lo a ter boas ideias. Veja filmes, ouça músicas, leia bastante (nem preciso dizer, né?), passeie ao ar livre, converse com pessoas diferentes e as observe também. Como elas se comportam, o que estão fazendo, como falam, agem, o que elas querem da vida, o que elas não querem de jeito nenhum, como elas aproveitam o dia, em que elas trabalham, os nomes dos seus filhos, as suas histórias de família, tudo isso pode virar um arsenal impressionante para a sua mente criar um enredo próprio. Muitas vezes tudo o que você precisará fazer é prestar atenção. E como praticar a criatividade? Além do exercício diário da escrita, muito importante, você pode explorar o seu lado criativo com outras atividades como pintar, desenhar, fazer artesanato, costurar, elaborar uma receita nova, imaginar formas nas nuvens, dar um nome imaginário e muito mais legal para o cachorro da vizinha, e tantas outras coisas simples que não precisam ser feitas de maneiras perfeitas. Elas só precisam ter um espacinho no seu dia para, quem sabe, acender aquela luz na sua cabeça. Como você encontra ideias para suas histórias? Tem alguma fórmula ou ritual que sempre funciona? Compartilha com a gente aqui nos comentários <3 Gostou desse conteúdo? Faça parte da minha lista de e-mail e não perca nenhuma novidade * indicates required Email Address * Que tipo de conteúdo mais interessa você? Para Leitores Para Escritores Ambos

Continue Reading
Bastidores

Escrever enquanto escreve

Eu sigo alguns perfis de escritores estrangeiros no Instagram e nas fotos eles sempre estão com um caderno cheio de anotações ao lado do computador. Meu inglês é sofrível demais para perguntar nos comentários o que eles escrevem, mas com o tempo fui deduzindo que são anotações sobre o que eles estão fazendo na telinha. Um deles inclusive escreve cenas inteiras no papel e tira um dia na semana exclusivamente para copiá-las em documentos digitais (o Google tradutor me ajudou a entender). Isso despertou minha atenção porque era algo que eu nunca tinha feito embora às vezes realmente sentisse falta de um espaço analógico para rabiscar. O planejamento do meu romance atual foi feito integralmente no Word e eu o consulto muito pouco – não tenho considerado isso uma coisa boa -, o que tem deixado minha história diferente do plano. Esse não é exatamente o problema, porque, sim, o enredo pode mudar e a gente vive tendo novas ideias, mas no meu caso eu deixei de escrever muita coisa boa porque não lembrava que tinha pensado sobre elas lá atrás. Se eu tivesse feito o planejamento em papel e ele estivesse sempre abertinho do meu lado a situação seria diferente? Com essa pergunta na cabeça eu passei a deixar um caderno perto do notebook e nele anoto um pequeno resumo sobre as próximas cenas. Pequeno mesmo, uma frase. Por exemplo: “Carmem e Mário no café”, “Carmem e Daniel em casa”, “Daniel e Vera no jantar”. Esses curtos lembretes têm me ajudado a lembrar o que estou planejando para o andamento da história, e não é incomum eles serem riscados e trocados por eventos novos. A cena de Mário e Carmem no café pode mudar para a praça e a cena de Daniel e Vera pode nem mais existir. Também li que é interesse fazer esse mesmo resumo de capítulos que já foram escritos, uma técnica usada por roteiristas de séries, pois ajuda o escritor a não perder o fio da meada. Eu não sei como até hoje fui uma escritora que não escrevia enquanto escrevia. Não que seja uma regra, mas a ferramenta do papel enquanto a história toma forma tem sido minha principal assistente. E eu, doida por papelaria, arrumei uma desculpa para comprar um caderno novo. Conheça meus livros Faça parte da minha lista de e-mail e não perca nenhum conteúdo * indicates required Email Address * Que tipo de conteúdo mais interessa você? Para Leitores Para Escritores Ambos

Continue Reading
Para Escritores Para Leitores

Entrevista | Julia Rietjens

Julia Rietjens tem 24 anos, mora em Holambra-SP, e escreve desde os doze anos de idade. Publicitária de formação, ela divide seu tempo entre sua agência de marketing e a escrita, predominante no gênero suspense. Com vários livros publicados, entre físicos, ebooks e histórias no Wattpad, Julia tem experiência com a publicação independente e compartilha o que sabe no seu Instagram, onde dá dicas de marketing para outros escritores. Conversamos sobre influências literárias e seu livro mais popular, O Segredo das Aroeiras. Conheça mais sobre a autora: Sabryna Rosa: Julia, você escreve desde os doze anos, certo? O que te levou a começar tão cedo? Você sempre escreveu ficção ou começou por outro gênero? Julia Rietjens: Comecei a escrever depois de ler os três primeiros livros de Harry Potter. Eu amei tanto a série que queria me sentir parte daquele mundo, por isso comecei uma fanfic. Depois disso, percebi que eu era muito boa em ter ideias para histórias, por isso passei a sempre colocá-las no papel. Mas nunca me aventurei por outro gênero, sempre fui do time da ficção, pois gosto de ter liberdade de criar (e também sou uma péssima poetisa).  Sabryna: Eu vi que suspense é um dos gêneros dos seus livros e também um dos que você mais lê. Quais são suas principais influências? Teve algum autor ou livro especial que levou você a escrever suspense? Julia: Comecei a gostar de suspense, especialmente suspense policial, depois de ler um livro no Wattpad sobre um detetive. A escrita me envolveu tanto que passei a ler mais livros desse gênero, embora já consumisse muito filme e série assim. Depois passei para os livros de suspense psicológico e terror da Babi Lacerda, uma autora nacional que admiro muito. Outra autora que me agrada e me inspira, com seu jeito característico de contar histórias, é a Shari Lapena.  Sabryna: Recentemente, li seu livro O Segredo das Aroeiras e fiquei muito contente que um cenário brasileiro – o cerrado – foi usado como pano de fundo para sua história, porque não é muito comum, principalmente quando se trata de narrativas de suspense. Como se deu essa escolha? Julia: A história surgiu quando eu mesma estava visitando o cerrado, mais especificamente a Chapada dos Veadeiros. Estava fazendo uma trilha durante a época de seca, portanto tinha muitas queimadas na região. Dessa trilha, pudemos ver algumas partes pegando fogo e então a ideia me veio. Foi durante a trilha, de mais ou menos uma hora, que eu consegui montar praticamente a história inteira na minha cabeça. Sabryna: Quem te acompanha nas redes sociais sabe que você dá várias dicas de marketing para escritores. Quando escolheu a publicidade você tinha o plano de aplicar na sua carreira, ou até mesmo de ensinar, ou isso aconteceu naturalmente? Julia: Não! Quando prestei vestibular, não sabia exatamente o que fazer, então passei em publicidade e pensei: por que não? Depois acabei gostando da área e aprofundando meus conhecimentos. Mas só tive a ideia de compartilhar essas dicas com o meu público quando as pessoas começaram a me perguntar o que eu fazia para crescer no Instagram e vender meus livros… Aí percebi que posso ajudar muitos escritores por aí com meu conhecimento além da escrita. Sabryna: Você tem um bom histórico de publicação independente, Wattpad, Amazon, Blog, muitos títulos nessas plataformas. Que dica você pode dar para quem está começando a publicar nesse formato? Julia: Feito é melhor que perfeito, esse é o meu lema. Vejo muita gente quebrando a cabeça e evitando publicar porque a história não está perfeita. Demoram anos para tomar coragem de postar um simples capítulo ou um conto, quando na verdade a publicação, mesmo de algo que não esteja totalmente perfeito – porque, vamos combinar, ninguém consegue alcançar a perfeição -, vai te dar experiência. Suas primeiras histórias não vão ser best-sellers e está tudo bem. Mas publique, pois assim você verá no que pode melhorar. Essa seção do blog tem o objetivo de apresentar autores independentes, incentivar a leitura de nacionais e promover a interação entre eles e outros escritores. Se você gostaria de conhecer mais sobre o trabalho da Julia Rietjens, acompanhe pelos links abaixo: Instagram: @juliarietjensBlog: https://juliarietjens.wordpress.comLivros na Amazon: https://amzn.to/2TrNCvqPerfil no Wattpad: https://www.wattpad.com/user/autorajrietjens Obrigada, Julia!

Continue Reading